segunda-feira, 23 de março de 2015

Novos Vilões da Vida a Dois

Entrevista cedida pela Psicóloga Fernanda Guimarães para o Jornal OVALE

Privacidade é importante para um relacionamento?Por quê?
Sim, privacidade é importante para todos os tipos de relacionamentos. Ela garantirá, por exemplo, que o indivíduo mantenha sua identidade individual e suas características, se resguardando e compartilhando o que achar necessário. A manutenção dessa identidade é importante para que o indivíduo não se perca de suas próprias opiniões,  comportamentos e crenças, evitando que ele passe a existir somente a partir da mescla com o outro.

Quais os fatores negativos que a falta de privacidade pode ocasionar para um relacionamento?
Entre os principais fatores que a falta de privacidade pode ocasionar para um relacionamento, podemos citar:
  • Sensação de controle pelo parceiro e consequente perda da liberdade individual;
  • Perda da motivação para compartilhar espontaneamente vivências e acontecimentos;
  • Percepção de ter se estabelecido um relacionamento baseado na insegurança e na desconfiança;
  • Sentimento de submissão; entre outros.
Na atualidade, quais os principais erros que os casais cometem em se tratando de privacidade?
Entre os principais erros cometidos pelos casais em se tratando de privacidade, estão as noções de que:
  • O parceiro precisa saber tudo da vida do outro para realmente conhecê-lo;
  • Saber todos os detalhes da vida do parceiro faz com que ele esteja sob controle;
  • Limitar a privacidade garante a fidelidade do parceiro.
Esses conceitos podem resultar em excessos de invasão de privacidade como:
  • A fiscalização das redes sociais, do celular e computador do parceiro, entre outros;
  • A solicitação constante do outro,através de ligações telefônicas, mensagens de celular e etc.;
  • Intervenções frequentes na rotina do parceiro por meio de visitas inesperadas ao ambiente de trabalho, à casa e etc.;
  • A solicitação desmedida de explicações sobre a rotina do outro nos momentos em que esteve desacompanhado.
Nas redes sociais intimidade virou coisa corriqueira. Isso estimula a invasão de privacidade nas relações da vida real? 
Sim. O fato de as pessoas, em sua maioria, não preservarem sua privacidade nas redes sociais frequentemente induzem o sujeito à dedução de que aquela é também a conduta de privacidade do indivíduo no mundo real. Além disso, as constantes rotinas de checagem nos perfis alheios e o interesse na vida do outro estimulam o comportamento controlador na vida real. 

Outro dia vi um post na internet que dizia o seguinte: "Nos relacionamentos de hoje você pode pegar na barriga, bunda, peito ou coxa... Menos no celular e no inbox do facebook. Aí já é falta de respeito e de privacidade". Qual é sua opinião a respeito desse comentário?
As relações humanas estão, cada vez mais, sendo banalizadas, e, portanto, a noção de respeito mudou. Os laços reais duram cada vez menos pois estão baseados em aspectos voláteis, como o sexo e o interesse pela imagem. Essa inversão de valores pode gerar a deturpação do que se prioriza, como na citação acima: o que antes era visto como proibido, como tocar sem autorização nas partes íntimas de alguém, hoje se torna aceitável e é estimulado. A aceitação das pessoas de que o "eu" real possa ser violado enquanto o "eu" virtual não for maculado é absurda. 

As redes sociais têm separado muitos casais. Na sua opinião, isso pode estar atrelado com a dificuldade dos casais de lidar com a privacidade?
A dificuldade dos casais em lidar coma privacidade pode ser um dos fatores que contribuem para isso, uma vez que ela pode alimentar os comportamentos mencionados no início. Há outros fatores envolvidos, como:
  • A possibilidade oferecida pelas redes sociais em se viver uma vida dupla;
  • A priorização do contato virtual em detrimento do real, diminuindo o convívio;
  • A excessiva exposição de questões pessoais nas redes sociais e os consequentes conflitos e constrangimentos que isso pode gerar;
  • A facilidade de intervenção no relacionamento, através da rede, por parte de terceiros, entre outros.
Se tratando de privacidade, o que os especialistas consideram saudável/equilibrado em um relacionamento? Dê alguns conselhos.
Em relação a privacidade, é considerado saudável/equilibrado tudo aquilo que não interfere negativamente na qualidade de vida do indivíduo. O melhor a fazer é conversar e estabelecer os limites de cada um, que devem ser respeitados por acordo mútuo.Se há, por uma das partes, a necessidade de invadir os limites de privacidade estabelecidos, isso pode ser um indício de algum desequilíbrio, como insegurança excessiva, e, se o diálogo não for suficiente para saná-lo, é recomendada a busca de ajuda profissional.

Fernanda A. Linhares Guimarães
Psicóloga – CRP:06/90599
Rua Arnaldo Ricardo Monteiro, 71, São José dos Campos
Tel:12-39414392
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Filmes e Séries: www.i9vadore.com.br

Seguir por E-mail:

Todas as imagens utilizadas nos artigos foram extraídas do Google Imagens