sexta-feira, 22 de junho de 2018

Captain Phillips – Capitão Phillips: a indústria cultural e o reforço à ideologia dominante

Artigo escrito pela Psicóloga Fernanda Guimarães e pelo Especialista em Sociologia e em Educação Roberto Guimarães.


AVISO: o texto abaixo contém SPOILERS.

Baseado em uma história real, o filme Capitão Phillips narra um episódio incomum na vida de Richard Phillips, durante uma navegação que realizava com a embarcação da qual era o responsável. O objetivo de sua viagem era levar cargas do porto de Omã para Mombaça, no Quênia. Quando, porém, atingiu as proximidades da Somália, que enfrentava severas dificuldades políticas e econômicas, teve seu navio atacado por piratas.
Como se pode facilmente prever, o capitão resiste bravamente ao ataque e tenta defender ao máximo sua tripulação. A marinha é envolvida nas tentativas de resgate e, ao final, Phillips se torna o herói da história.
No início do filme, a esposa de Phillips o leva ao porto para que possa embarcar em mais uma jornada de trabalho ao mar. Entre outros assuntos, inicia-se uma discussão sobre o futuro do filho e o desejo de Phillips de que “tome um rumo na vida”. O Capitão apresenta uma visão impregnada de senso comum, como a ideia de que sem diploma de um curso superior o indivíduo não é ninguém, por exemplo.
Discursos como esse povoam a imaginação das pessoas. O curioso é que muitas delas não têm ideia dos fatores que estimulam a adoção de tais “verdades”. A constituição de referenciais de sucesso, de propósitos de vida, de realização pessoal, de felicidade, entre muitos outros, não acontece de maneira independente do meio social. Os conceitos e valorizações realizados coletivamente permeiam a consciência de cada indivíduo e os submetem quanto menor for sua autonomia.

Filmes e Séries: www.i9vadore.com.br

Seguir por E-mail:

Todas as imagens utilizadas nos artigos foram extraídas do Google Imagens